Ouça nossa webradio

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Radialistas comunitários reúnem-se em João Pessoa para definir programa na Rádio Tabajara


A sede da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária no Estado da Paraíba, que funciona no Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, será o local de reunião de vários comunicadores comunitários para definir a estrutura do programa “Resenha Comunitária”, que deverá ser veiculado pela Rádio Tabajara da Paraíba, trazendo informes das diversas comunidades onde funcionam rádios comunitárias. A reunião acontecerá hoje, 11 de abril, às 15 horas.

Também o dia de hoje marca a implantação da Rede Tabajara Sat, com a participação de mais de 20 rádios em cadeia, que deverá ampliar o alcance da emissora, com cobertura para todo o Estado. A outra mudança na programação é a estreia do programa Fala Paraíba, apresentado pelo radialista Célio Alves (foto) e com cobertura do cenário político estadual. O “Fala Paraíba” será apresentado de segunda à sexta-feira, das 12h às 14h. Além do programa estreante, a Rede Tabajara Sat transmitirá via satélite para mais de 20 rádios paraibanas o Jornal Estadual, que vai ao ar de segunda à sexta, das 6h às 7h, e é comandado pelos jornalistas Michelle Veronese e Ulisses Barbosa.

Sobre o programa “Resenha Comunitária”, deverá funcionar como um espaço laboratorial, qualificando locutores, redatores, operadores de som e produtores das rádios comunitárias paraibanas, além de funcionar como um serviço de divulgação do que acontece nas diversas comunidades.

No Brasil, o rádio nasceu com o propósito de disseminar a cultura e a educação. Assim, foi idealizado pelo “pai do rádio”, Roquette-Pinto, como um espaço público que objetivava a propagação de conteúdo educativo e cultural para a sociedade. Infelizmente, o que se ouve hoje é a propagação do lixo cultural e a desinformação. Na Paraíba, a Rádio Tabajara é a única emissora de grande potência que ainda procura seguir o primado de Roquete-Pinto: “O rádio é o jornal de quem não sabe ler; é o mestre de quem não pode ir à escola; é o divertimento gratuito do pobre; é o animador de novas esperanças; o consolador do enfermo; o guia dos sãos, desde que o realizem com o espírito altruísta e elevador.”