PORTO DO CAPIM RADIOWEB

segunda-feira, 30 de março de 2015

Polícia invade acidentalmente rádio comunitária e aterroriza trabalhadores do local

Policiais do COE e da Rocam entraram no estúdio da rádio, localizado no Mutirão, Zona Leste de Manaus, e mantiveram pessoas sob a mira de armas

    A rádio opera, majoritariamente, nas zonas Norte e Leste de Manaus
    A rádio opera, majoritariamente, nas zonas Norte e Leste de Manaus (Arquivo AC)
    Na tarde desta quinta-feira (26), os trabalhadores da rádio comunitária Voz das Comunidades (87,9 FM ) ouviram uma batida na porta e o que se seguiu foram momentos de terror que, nas palavras de uma testemunha, pareciam "coisa de filme".
    Por volta das 15h40, policiais do Comando de Operações Especiais (COE) e da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) entraram no estúdio da rádio, localizado no Mutirão, Zona Leste de Manaus, e mantiveram pessoas sob a mira de armas, entre elas, uma senhora com um bebê de apenas 5 meses.
    "O COE e a Rocam chegaram fortemente armados e apontaram essas armas para todo mundo no estúdio onde estávamos gravando um programa. O apresentador ficou sob a mira das armas, bem como os convidados do programa. Uma senhora que estava no local com a filha bebê começou a se tremer todinha e foi se trancar no banheiro de tanto medo", disse Erleilson Brito, jornalista que trabalha na Voz das Comunidades e estava do lado de fora do estúdio quando a polícia chegou.
    Marlúcia Santiago, produtora da rádio que estava dentro do estúdio na hora, foi uma das pessoas que estiveram sob a mira da polícia. "Quando eles se deram conta que era uma rádio, eles começaram a amainar. Disseram que tinham entrado na rádio por conta de uma denúncia de que havia um cárcere privado aqui. Foi engano, mas aí eles já tinham entrado e assustado todo mundo", contou Marlúcia.
    Seu marido, Lerron Santiago, apresentador da rádio que estava em casa quando tudo aconteceu e soube da situação pela mulher a achou inadmissível. "Foi uma atitude totalmente desnecessária, com toda essa truculência. Já recebi várias ligações da Polícia, dizendo que devemos ir à Corregedoria-Geral reportar a história, mas as pessoas da rádio não têm como fazer isso. Estão todos muito chocados ainda", explicou Lerron.
    A Corregedoria-Geral do Sistema de Segurança Pública do Estado do Amazonas informou que irá abrir procedimento para apurar o ocorrido e que os policiais envolvidos serão chamados para prestar esclarecimentos.
    "A ordem para que fosse aberto o procedimento investigativo já foi dada e, em cima do que for apurado, nós poderemos decidir o que será feito em cima do que a legislação pertinente determina", concluiu o coronel da PM Willer Abdala.

    domingo, 29 de março de 2015

    Alo Comunidade 187 TERLUCIA SILVA SANDRA RAQUEW

      



    Nesta edição Mabel Dias e Aline Simões entrevistam a ativista Terlúcia Silva, sobre a Marcha das Mulheres Negras. As jornalistas também bateram um papo sobre a presença da mulher na mídia brasileira. O repórter Dalmo Oliveira entrevistou Rita Freire, da ONG Mulher & Mídia e do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Produção de Mabel Dias, Fabiana Veloso e Dalmo Oliveira. Sonoplastia de Maurício Mesquita.

    sexta-feira, 27 de março de 2015

    SÃO PAULO

    TRANSMISSOR DE RÁDIO DE SÃO MANUEL É APREENDIDO PELA PF




    Em cumprimento de mandado de busca e apreensão expedido pela 1.ª Vara Federal de Botucatu, agentes da Polícia Federal (PF) apreenderam nessa quarta-feira (25) equipamentos da rádio comunitária FM Integração, de São Manuel. Entre os aparelhos foi confiscado o transmissor e a emissora permanece, deste então, fora do ar.

    De acordo com responsável pela rádio, Antônio Ribeiro de Brito, a Justiça aponta no mandado indícios de crime de funcionamento clandestino da emissora, uma vez que o sinal estaria sendo transmitido em duas frequências: 87,9 MHz, já registrado em licença, e 98,1 MHz, este último indicado como irregular.  

    Ainda segundo Brito, a denúncia teria partido da prefeitura. “É perseguição política. Duas vezes já tentaram fechar a rádio por questões de alvará de funcionamento. Em ambos os casos, entrei com processo por danos morais e ganhei. Em 11 anos no ar, está é a primeira vez que a Polícia Federal é acionada para apreender os equipamentos da rádio. Um absurdo”, critica.

    “Não tem nada de irregular. Estou com a licença e não me provaram que a emissora está sendo transmitida também em outra frequência. Aliás, no mandado fala que os agentes federais deveriam estar acompanhados por funcionários da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o que não aconteceu. Amanhã (hoje) mesmo irei entrar com mandado de segurança contra a decisão”. (Jcnet)

    quinta-feira, 26 de março de 2015

    Radialista comunitário defende ditadura militar em Rondônia


    O radialista Edmilson Costta (foto), ligado à Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – Abraço, defendeu publicamente o retorno do regime militar em postagem nas redes sociais. Disse que viveu parte da infância na ditadura e, para ele, não foi ruim. “Naquele tempo tínhamos ordem, comparado a hoje que só tem anarquia”, disse Costta.

    O radialista mencionou o trabalho de um batalhão do Exército na BR 364 que corta os bairros de Tucumanzal e São João Batista em Porto Velho. “Como é lindo sentir a segurança que nos dá um pelotão de soldados trabalhando em favor da comunidade”, disse ele. Na introdução do comentário, Costta enfatizou seu desejo: “Exército brasileiro assume o comando a começar por Rondônia”.

    Após a postagem polêmica, o radialista teve sua página no Facebook descartada por algumas pessoas. “Estou horrorizada. Você está fazendo apologia ao militarismo. Simplesmente não posso continuar dialogando com você”, escreveu uma amiga petista do Edmilson Costta. “Esse não me representa”, afirmou Angelo Ignácio, do Rio de Janeiro. Para Arnoldo, radialista do Rio Grande do Sul, o seu colega de Rondônia quis ‘aparecer” com o posicionamento postado. “Ele viveu nos tempos da ditadura e agora não sabe o que fazer com a liberdade”, disse.

    Ines Pereira considera uma “afronta ao estado democrático de direito em que vivemos”. Por outro lado, o radialista paraibano Fábio Mozart defendeu o direito do Edmilson assumir suas posições. “Ele representa uma parte da sociedade que tem esse pensamento. Embora não concorde com ele nesse ponto, acho que Edmilson Costta tem o direito de se expressar, pois a democracia vive do contraditório”, afirmou.



    quarta-feira, 25 de março de 2015

    Paraíba realiza encontro sobre comunicação


    A Articulação do Semiárido Paraibano (ASA Paraíba), rede de cerca de 300 organizações que trabalham para o fortalecimento da agricultura familiar de base agroecológica na Paraíba, realizará nos dias 25, 26 e 27 de março no Day Camp Hotel Fazenda, em Campina Grande, o I Encontro Estadual de Comunicação.

    O objetivo do encontro é promover a reflexão sobre as estratégias de comunicação em cada território onde estão localizadas as organizações da ASA Paraíba e sobre o papel da comunicação na construção de um projeto de convivência com o Semiárido no Estado, além de debater a comunicação popular, comunicação comunitária e o direito humano à comunicação.

    segunda-feira, 23 de março de 2015

    Alo Comunidade 186 VILMA VAZ

     



    Nesta edição Fabiana Veloso e Mabel Dias entrevistam a psicóloga Vilma Vaz, sobre saúde mental da mulher. Tem ainda uma entrevista com Eleonora Pereira, criado do Movimento Mães pela Igualdade. Produção de Fabiana e Mabel. Reportagem de Dalmo Oliveira. Sonoplastia de Maurício Mesquita.

    sábado, 21 de março de 2015

    Encontro Estadual pelo Direito à Comunicação acontecerá dia 28/3 no RJ


    Fonte: Frente Ampla pela Liberdade de Expressão (FALE-Rio)
    No dia 28/3, das 9h às 18h, acontecerá na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ), o 1º Encontro Estadual pelo Direito à Comunicação. O encontro pretende reunir representantes de entidades, militantes da democratização da comunicação, sindicalistas, parlamentares, estudantes, profissionais da comunicação, comunicadores populares, midialivristas e blogueiros para trocar experiências, analisar a conjuntura e debater os rumos do movimento pela democratização da comunicação no Brasil e no Estado do Rio de Janeiro. As inscrições estão abertas e podem ser feitas no blog da FALERIO. O evento estadual servirá de preparação para o 2º Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação, que acontecerá em Belo Horizonte, de 10 a 12 de abril. As inscrições para o encontro nacional também estão abertas e podem ser feitas no site do FNDC.

    Segundo os organizadores, o encontro tem o objetivo de avançar na formação e capacitação de quadros e ativistas, agregar novas entidades e coletivos no FNDC, interiorizar as discussões sobre o tema, dialogar com outras campanhas e movimentos sociais e colocar o tema na agenda de mobilizações do país.
    Conheça a programação:
    1º Encontro Estadual pelo Direito à Comunicação
    9h - Abertura política: parlamentares, líderes sindicais e de movimentos sociais, representantes de entidades e coletivos, farão uma rápida saudação aos participantes
    10:30h - Conferência 'Regulação da Mídia - O Brasil precisa de uma Lei da Mídia Democrática' - Reflexões sobre a conjuntura das Comunicações no Brasil, e a necessidade de um novo Marco Regulatório das Comunicações
    - Orlando Guilhon (FNDC)
    - Marcos Dantas (UFRJ)
    - Suzy dos Santos (UFRJ)
    13h – Almoço
    14h - Atividades autogestionadas
    17h - Plenária Geral e aprovação da Carta do Rio