quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

CORDEL NA RADIO COMUNITARIA



O vídeo faz parte do projeto CORDEL NA RÁDIO COMUNITÁRIA, de Fabio Mozart, contemplado pelo Fundo de Incentivo à Cultura Augusto dos Anjos (FIC), da Secretaria de Cultura do Estado da Paraíba.
Mozart responde pela produção e roteiro que também assina a música-tema. A edição é de Marcos Veloso e apoio da Rádio Comunitária Zumbi.
O vídeo enfoca a obra e carreira dos poetas Bebé de Natércio, Vavá da Luz, Marconi Araújo, Tiago Monteiro, Tiago Alves, Sander Lee, Josafá de Orós e Rui Vieira.



terça-feira, 23 de outubro de 2018

dalmo brasil antifascista

 



Quais as origens do fascismo na Europa? E sua influência no atual momento político brasileiro? O jornalista faz um alerta para os eleitores que vão escolher o novo Presidente do país no próximo dia 28.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Atentado político destrói rádio comunitária em Gurupá (PA)


Na madrugada desta quarta- feira (10), uma ação criminosa culminou com incêndio e destruição total da Rádio Comunitária Educadora de Gurupá FM, 87,9Mhz, na região da Ilha do Marajó. O município de Gurupá está localizada na região da Ilha do Marajó, a cerca de 348 km da capital, Belém do Pará. Em seus 380 anos de fundação, destaca-se pelo histórico de lutas sociais, que remetem ao início do processo genocida de colonização europeia na região, reverbera no movimento pela criação da Reserva Extrativista Gurupá-Melgaço e chega aos dias atuais.
Há mais de 20 anos, a pequena cidade do interior paraense, com aproximadamente 32.049 habitantes, passou a contar com o serviço de comunicação comunitária da Rádio Educadora do Município de Gurupá. Uma rádio legitimamente comunitária que presta a seus ouvintes um serviço de interesse público, com imparcialidade e ética, com muita informação regional, publicidade local em seu apoio cultural, além de inúmeros serviços em sua programação auxiliando na organização vida pública municipal. A Rádio Comunitária Educadora do Município de Gurupá atua legalmente, tendo concessão de serviço do Ministério das Comunicações. Nesse período, comunicação popular e comunitária e a política da cidade sempre se cruzaram. No entanto, com o processo político de radicalização da extrema direita, com o silêncio da direita tradicional e centro esquerda, a cena política local ganhou tons mais dramáticos. Ano passado, este que é o único meio de radiodifusão local sofreu o primeiro ataque. Atearam fogo à antena.
No primeiro turno da eleição, a cidade votou em Haddad. Foram 69,94% dos votos válidos contra apenas 13,7% para os neonazistas. Por apoiar a democracia, a Rádio Educadora do Município de Gurupá foi invadida, teve equipamentos roubados e o seu estúdio completamente destruindo num incêndio criminoso. Trata-se de um atentado contra o direito humano à comunicação, uma violação a todos os tratados internacionais do qual o Brasil é signatário, em relação ao direito a liberdade de expressão e informação.
(Idade Mídia)


segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Programa de governo de candidato petista promete democratizar concessões de rádios comunitárias



O programa de governo de Fernando Haddad (PT), candidato a Presidente do Brasil na eleição do dia 7 de outubro, contempla a democratização das comunicações com mudança na forma de concessão de outorgas para funcionamento das rádios comunitárias. Para ele, a distribuição das concessões deve ampliar a participação de universidades, sindicatos e organizações da sociedade civil nas outorgas para o sistema público e privado de televisão e rádio. Faz-se necessário também fortalecer as emissoras de rádio e TVs comunitárias, que devem ser reconhecidas e contar com políticas públicas que promovam a sustentabilidade financeira, garantam condições igualitárias de potência e impeçam sua captura por grupos econômicos, políticos e religiosos. Em face disso, será preciso redefinir o papel da Anatel e da Polícia Federal para impedir perseguições.

Conforme a linha do programa de Governo de Haddad, o governo promoverá a desconcentração dos investimentos publicitários estatais, de forma a promover a diversidade, inclusive regional, e impedir que os gastos públicos reforcem a concentração na comunicação.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Fórum lança carta em defesa da comunicação democrática



Escrito por: Redação do FNDC
Carta-compromisso com sugestões de políticas públicas para o setor será apresentada a candidatos e candidatas no pleito deste ano
O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) lançou nesta quinta-feira (2) a "Carta-compromisso em defesa da Democracia e por uma Comunicação Democrática no Brasil", documento que reúne um conjunto de propostas de políticas públicas para assegurar um ambiente de pluralidade e diversidade no sistema de comunicação do país. A ideia é que a plataforma seja apresentada às candidaturas a presidente da República, mas também aos postulantes ao Congresso Nacional, governos e legislativos estaduais. No caso dos estados, os Comitês Regionais do FNDC também devem agregar iniciativas específicas de políticas públicas de comunicação, considerando as realidades locais.

Segundo a coordenadora-geral do FNDC, Renata Mielli, a entidade pretende organizar espaços de apresentação e discussão da plataforma e convida os/as candidatos/as a aderirem às propostas. "A plataforma inclui três compromissos centrais: a realização de debates públicos em torno das políticas de comunicação para o país,  a necessidade de se realizar a 2ª Conferência Nacional de Comunicação como etapa fundamental para esse diálogo e acúmulo político, além da recriação do Ministério das Comunicações, que foi fundido ao de Ciência e Tecnologia em 2016, no governo Temer", afirma a jornalista.

Na avaliação do FNDC, associação civil sem fins lucrativos com mais de 500 entidades filiadas em todo o país, a Constituição de 1988 segue sem a devida regulamentação quando se trata da garantia ao direito à comunicação. "O país seguiu convivendo com um cenário de concentração privada dos meios de comunicação (tanto na radiodifusão, quanto nos veículos impressos e, também, nas telecomunicações), e sem legislações especificas para efetivar as previsões constitucionais, entre as quais: a proibição do monopólio e oligopólio; a obrigação de veiculação na radiodifusão de conteúdo regional; a complementariedade entre os sistemas público, privado e estatal".

De acordo com o balanço do movimento pela democratização das comunicações no Brasil, até hoje não foram criados mecanismos transparentes e democráticos para a concessão dos canais de radiodifusão. "Ao contrário, permanecem flagrantes irregularidades como deputados, senadores, governadores e familiares diretos concessionários de canais de rádio e televisão, constituindo um verdadeiro coronelismo eletrônico e criando um obstáculo à discussão de mudanças nas regras para a concessão dos canais. Vale ressaltar, também, o aumento da presença de Igrejas operando canais de rádio e TV, ou ocupando espaço na programação a partir do arrendamento de horários, prática irregular para uma concessão pública".

Até mesmo a emergência da internet como um dos principais ambientes de exercício da liberdade de expressão, ao permitir o surgimento de uma ampla gama de sites e blogs que deram voz a setores historicamente silenciados pela mídia hegemônica, está sob ameaça. "Isso porque novos monopólios digitais (Facebook, Google, Amazon, Apple, Microsoft) vão se transformando nos novos intermediários da comunicação e, por mecanismos opacos passam e decidir que informação e conteúdo circula e tem visibilidade na internet" em detrimento de outros.

Acesse aqui a íntegra da "Carta-compromisso em defesa da Democracia e por uma Comunicação Democrática no Brasil" para as Eleições 2018.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

ALO COMUNIDADE 09062018 BAILEI NA CURVA KALYNE LIMA

 



Nesta edição entrevistamos diretor e atores da peça teatral "Bailei na Curva". Também batemos um papo com a jornalista e rapper Kalyne Lima.

terça-feira, 5 de junho de 2018

ALO COMUNIDADE02062018 CONGRESSO DO POVO LIVIO LIMA MARCOS FREITAS

 



Nesta edição Dalmo Oliveira e Beto Palhano batem um papo com Lívio Lima e Marquinhos Freitas, da Frente Brasil Popular. Eles explicam a iniciativa popular do Congresso do Povo. Sonoplastia de Beto Lucas.