PORTO DO CAPIM RADIOWEB

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Nova entidade de rádios comunitárias reúne militantes em livraria de João Pessoa/PB

Está marcada para o dia 4 de dezembro a reunião para discutir e aprovar o estatuto da Associação Paraibana de Comunicação Comunitária, Alternativa e Popular – APARTE, para a qual estão sendo covocados representantes de rádios comunitárias, rádio-web, rádios a cabo, jornais de bairro, difusoras e outros projetos de comunicação alternativa. O encontro será realizado às 14 horas na Livraria Sebo Cultural, na Avenida Tabajaras, em João Pessoa, Paraíba.
Na reunião, deverão constar da pauta os objetivos da associação e sua forma de organização, os direitos e obrigações dos associados, as condições de admissão, saída ou exclusão de novos sócios, tal como as competências dos órgãos da associação, as suas receitas ou os termos de extinção da pessoa coletiva.


terça-feira, 25 de novembro de 2014

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Alo Comunidade 171 JUNIOR TARGINO

 



Nesta edição entrevistamos o músico e educador Junior Targino. Produção e apresentação de Marcos Veloso. Locução de Dalmo Oliveira. Sonoplastia de Maurício José Mesquita.

domingo, 23 de novembro de 2014

Rádio comunitária tem sede invadida e equipamentos roubados na Paraíba



A Rádio Comunitária da cidade de Serra Branca, no Cariri da Paraíba, foi invadida e teve vários equipamentos furtados na madrugada deste domingo (23). Até agora, a polícia não identificou nem prendeu acusados.


Segundode uma das locutoras da rádio, as portas da emissora foram encontradas abertas no início da manhã deste domingo. Ela comunicou o ocorrido a colegas de trabalho, que acionaram a polícia. Segundo a gerência administrativa da rádio, foram levados um microfone profissional, uma mesa de som, um notebook e um celular. Juntos, os objetos custam aproximadamente R$ 7 mil.


Um agente de investigação plantonista informou que a polícia foi acionada por volta das 7h30 e, chegando ao local, constatou que a fechadura da porta da emissora não apresenta sinais de arrombamento. As chaves supostamente usadas pelos assaltantes foram deixadas em cima de um birô. Ainda de acordo com o agente, todos os funcionários da rádio negaram ser donos da chave. “Trabalhamos com a hipótese de que tenha havido uma facilitação na entrada desses assaltantes”, informou.

A emissora de rádio não possui circuito de câmeras de segurança, nem alarme. Porém, segundo a polícia, equipamentos instalados em uma padaria próxima ao local podem ter registrado a ação dos bandidos. As autoridades policiais devem solicitar e analisar as imagens nos próximos dias.


 Portal Correio 

PARAÍBA



Entidade muda estatuto para abrigar comunicadores populares

Radialista Dalmo Oliveira
Em reunião da Diretoria Executiva realizada no dia 21 de novembro, a Sociedade Cultural Posse Nova República, entidade civil sem fins lucrativos sediada em João Pessoa, mantenedora da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, resolveu convocar assembléia geral para modificar os estatutos e se transformar em uma associação que abrigará rádios comunitárias, rádios a cabo, rádios web e outros veículos de comunicação comunitária. A entidade terá o nome de fantasia de Associação Paraibana de Comunicação Comunitária, Alternativa e Popular, “Aparte”. As modificações estatutárias já estão sendo providenciadas para registro/averbação em cartório, e posteriores alterações na Receita Federal e outros órgãos onde a entidade possui inscrição.
Ficou marcada para o dia 14 de dezembro nova reunião da diretoria, para na qual serão convocados outros associados e lideranças regionais do movimento de rádios livres e comunitárias, onde serão discutidas as alterações que darão estrutura legal à “Aparte”, que já nasce contando com mais de 10 rádios comunitárias como associadas. Segundo Dalmo Oliveira, um dos coordenadores, a mudança visa aproximar os vários projetos de comunicação comunitária na Paraíba. “O objetivo é oferecer maior apoio aos setores populares e ampliar a luta pela democratização da comunicação”, disse ele.


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Brasil pode ter maior comunicação pública do mundo

Escrito por: Pedro Peduzzi 
Fonte: Instituto Telecom
Com mais de 5 mil veículos de comunicação pública, o Brasil tem potencial para instituir um sistema que, integrado, poderá ter uma dimensão inédita no mundo. Na avaliação do secretário de Audiovisual do Ministério da Cultura, Mário Henrique Borgneth, neste cenário, o papel da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) seria estratégico, no sentido de criar condições estruturais para a integração.

Borgneth defendeu que, para a EBC exercer tal papel serão necessários investimentos em conhecimento e infraestrutura, além de incentivos por meio de políticas públicas. Segundo ele, é também necessária uma liderança que enxergue as grandes demandas do sistema, como regionalização, regulação, investimento e financiamento para tirar da “indigência” boa parte dos sistemas comunitários. Atualmente, há no Brasil mais de 2 mil rádios comunitárias sendo alvo de processos.
“São mais de 5 mil veículos públicos no Brasil. Não há nenhum sistema privado no mundo com essa dimensão. Pensar isso como sistema significa resgatar parte substancial do mandato daEBC como linha estruturadora do sistema, com segmentos comunitários, legislativos, universitários, educativos e cultuirais”, disse Borgneth hoje (14), no Fórum Brasil de Comunicação Pública 2014.
Presidente da Associação Brasileira de Canais Comunitários (Abccom), Paulo Miranda diz que o número de veículos públicos pode aumentar ainda mais, mas que a falta de receita pode comprometer o futuro. Por esse motivo, defende uma legislação que possibilite patrocínios para esse tipo de mídia.
“Já conseguimos abrir diálogo [sobre a veiculação de publicidades institucionais] com a Secom [Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República]. Mas até o momento os valores apresentados são muito baixos, entre R$ 11 e R$ 60 por inserção”, disse Miranda. Uma alternativa, acrescentou, seria instituir, no âmbito governamental, uma política de mídia comunitária e um orçamento participativo dentro do bolo publicitário do governo.
Na opinião do secretário Borgneth, para evitar o uso político dos veículos públicos de comunicação é fundamental que se crie um distanciamento entre eles e os veículos estatais governamentais. Para isso, acrescenta, é necessário, além de estruturar os veículos estatais, dar autonomia financeira para os veículos públicos. “Enquanto o Estado pagar a conta do público e não houver o veículo [genuinamente] estatal, ele vai buscar [esse canal] onde ele estiver. A tentação é muito grande, até porque o embate [do governo] com a mídia comercial é cruel”, argumentou.
Outro ponto destacado por Borgneth é a questão da credibilidade dos veículos públicos. “A audiência, no campo público, é diferente do privado, e está associada à reputação e à identidade que temos de construir, que envolve valores e cidadania com o objetivo de equipar o cidadão para que ele possa sonhar. E, quando perceber isso, ele estabelecerá vínculos afetivos e de confiança com o veículo público e com a sociedade”.
Mas para que isso aconteça, acrescentou o secretário, é preciso que a sociedade “se enxergue nos veículos”, o que só ocorre com a participação direta dela nesses veículos. “Ou seja, tem de se oferecer canais de expressão para a sociedade”, disse ele. “Precisamos de identificação; de um canal permanente de pertencimento”, resumiu.

“Muitas vezes os veículos caem em uma cilada de buscar uma fotografia do Brasil de uma falsa harmonia, falsamente confundido com o Brasil oficial, chapa branca. Quando não se enxerga o contraditório, as contradições e os conflitos, o veículo público empurra essa reputação para o campo do oficialismo. Mas não somos governo. Somos sociedade. E quanto mais aprofundarmos essa identidade, menor será a vergonha do investimento social feito nos veículos públicos de comunicação”, completou.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Alo Comunidade 170 THE ZES

 



Nesta edição Fábio Mozart entrevista a banda The Zés, criada em Itabaiana nos anos 60's. Produção e apresentação de Fábio Mozart. Locução de Marcos Veloso. Sonoplastia de Maurício Mesquita.