Ouça nossa webradio

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

SE VOCÊ OUVIR O MULTIMISTURA TODO DIA, CORRE O RISCO DE SE TRANSFORMAR NUMA SUBCELEBRIDADE



--- “Pra admitir que é corno, já é difícil, imagina a gente se admitir babaca!” - Bebé de Natércio, sobre a massa que gritava: “Somos todos Temer”.

--- Onde estavam os juízes quando os militares estupraram a democracia em 64? E onde estão agora?

--- Nadadores americanos desonraram os ladrões brasileiros. 

--- Merlânio declama poesia de Bertolt Brecht.

--- Voto nulo ainda é uma forma de protesto? Merlânio Maia ensina como votar com seriedade e discernir o profissional do voto do verdadeiro e vocacionado político.

--- As pessoas que escutam o Multimistura têm melhor desempenho sexual, dizem especialistas.

MULTIMISTURA fala de poesia e política, com Merlânio Maia


--- O programa tem Merlânio Maia, multiartista, poeta da paz e declamador.  
--- Alô Dedé Arnô, Júnior de China de Mari, Ivaldo Gomes, João de Deus do Gai, Eudo Jansen, Natan Oliveira, poeta fescenino Vavá da Luz, poeta Pádua Gorrion e poeta Quelyno Sousa.
--- O programa teve a visita de um estranho personagem cujo nome não se pode falar. Este misterioso personagem teve seu direito de expressão vetado pela “ditadura judiciária”.
--- O estranho caso do candidato comunista que acredita em Deus e desacredita em Marx.
--- “Temer é um cão menor, mas o capiroto mesmo é o Eduardo Cunha”, garante Merlânio Maia.
Primeiro bloco da semana do MULTIMISTURA está no ar:

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Rádio comunitária Zumbi tem mais um portal retransmitindo programação na internet


A Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, de João Pessoa, aumentou sua rede de emissoras e sites que retransmitem ou reproduzem sua programação. O portal “Blog do Vavá da Luz”, de Ingá, passa a ter link para a Zumbi, numa cortesia de Walter Mário da Luz, o Vavá da Luz, poeta e blogueiro, responsável pelo blog mais acessado da região do agreste da Paraíba. (www.blogdovavadaluz.com)

“Agradecemos ao amigo Vavá da Luz pela gentileza de repercutir nosso trabalho”, disse Dalmo Oliveira, produtor da emissora web. Conforme Fábio Mozart, um dos programadores, os conteúdos da Rádio Zumbi são extensamente focados na comunicação comunitária. “Em nossa grade de programação, destacamos o “Multimistura”, uma experiência de debate descontraído que é a cara de Vavá”, acrescentou.


PELO CELULAR

A Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares tem vários parceiros no mundo da internet, entre eles o portal de notícias DiárioPB, cujo responsável criou aplicativo para tornar possível a recepção da Zumbi no celular ou tablete.

Google Play – Smartphone que opera com androide – Aplicativo disponível para você sintonizar a Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares em seu celular. 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Brasil inicia entrega de rádios aos estrangeiros, com repressão às emissoras nacionais

Rádio Comunitária em Viamão - RS

Mal renunciou o presidente da ANATEL, a rede GLOBO iniciou a limpeza moralizadora do espectro eletromagnético. Somente um ingênuo ou cretino para não perceber que a pretensão é a entrega do espectro ao conglomerado dos banqueiros internacionais. Estes, donos do satélite, controlam as telefônicas associadas à indústria global de entretenimento. Para os banqueiros, a nova ordem é limpar o espectro de todas frequências que impedem a expansão de seus negócios. Pouco importa que sejam rádios comerciais, estatais, publicas ou comunitárias. Aliás, as comunitárias são o alvo principal, pois, mesmo sendo de políticos, pastores ou dos patronos da comunidade, formam uma grande malha de emissoras que se firmaram como as "rádios oficiais” dos pequenos municípios e comunidades isoladas.

No Rio Grande do Sul, a Tupancy FM,  de Arroio do Sal, no litoral norte, é o melhor exemplo do empreendedorismo comunitário, bem como a Itapuã de Viamão, na periferia da capital, é outro ótimo exemplo. Paradoxalmente, só não vão ser expulsas do espectro as ditas "verdadeiras rádios comunitárias” - as emissoras da esquerda bem pensante - pelo fato de que estas não existem no espectro. As razões para tal fracasso deveriam fazer parte da autocritica das esquerdas, mas, o fato, é que estas não existem nas cidades onde atuam os movimentos da reforma urbana e social;  nem nos sindicatos de trabalhadores que capitulam perante o patronato; nem nas universidades sob o tacão dos inquisidores e queimadores de livros suspeitos. Assim, como não existem nos acampamentos e assentamentos do campesinato. Em cada lugar de luta, é vero, existem assessorias de comunicação, mas o direito à comunicação implica em ter - no sentido do direito a comunicação eletrônica -  uma estação de radio.

Quem refresca cu de pato é lagoa e rádio comunitária não é um discurso a seu favor e sim uma emissora que ocupa um lugar no espectro que, por razões de soberania , é um território no espaço que pertence ao povo, assim como pertence ao povo a Amazônia, as águas marítimas e o pré sal. Porem, o movimento pela democratização das comunicações perdeu 16 anos atirando pelas costas nestas emissoras comunitárias em nome da radiodifusão  ideal  com programação ideal - onde a gestão é feita por ativistas ideais, límpidos, insípidos e inodoros.

O governo Lula e Dilma nunca apoiaram nenhuma politica para fomenta-las, pois que apostou tudo no monopólio e na comunicação publica /estatal que, na verdade, nunca passou de 2% de audiência. Mais uma vez, o povo vai pagar a conta do golpe e agora vão calar a voz das pequenas emissoras que, se não são ao gosto das esquerdas, botam a voz do povo no ar pra pedir luz, limpeza de rua e de terreno baldio, vaga em creche e também pra divulgar forró ou bailão, pedir remédio usado ou fazer rifa pra cadeira de rodas. Diante do modo que nos relacionamos com as 3.870 rádios comunitárias do Brasil – o radio difusor das vilas – nunca soube com quem estava falando: se com os democratas da comunicação ou com a ABERT. Serão tempos divertidos pra quem não morrer de fome.


(Publicado no grupo Radcom, no Twitter – Assinado por Luiz Carlos Vergara)

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Radialista denuncia rádios de São Paulo que funcionam irregularmente e não transmitem o horário eleitoral



As Rádios Comunitárias de campinas receberam os mapas de mídia da propaganda eleitoral gratuita e a ata da reunião entre as emissoras e os partidos políticos. Entretanto, não foi consignado na ata o posicionamento da ABRAÇO em relação às rádios de outros municípios que funcionam irregularmente em Campinas e não irão transmitir o horário eleitoral, que prejudicará as outras emissoras, bem como os partidos políticos, pois estas emissoras não transmitirão a propaganda eleitoral gratuita.

Solicitamos dos partidos políticos democráticos, que se posicionem sobre esta arbitrariedade que acontecerá em Campinas.

Jerry Oliveira (Rádio Comunitária Hortolândia)

domingo, 14 de agosto de 2016

Denúncia: a máfia das igrejas no radialismo brasileiro


“Igrejas picaretas estão matando o rádio no Brasil”. A declaração é do colunista do Yahoo,  Regis Tadeu. A veracidade da frase vem de encontro ao atual momento do radialismo brasileiro, que cada vez mais tem seu espaço tomado pelas mais variadas vertentes de igrejas evangélicas. Na grande São Paulo, por exemplo, basta ir mudando de estação para se deparar com a quantidade absurda de pastores nos microfones. Em outras regiões como no Centro-Oeste, não é diferente.

Em sua coluna publicada no dia 10 de agosto de 2016, Regis afirma que a pregação transformou o rádio em um veículo de disseminação de estupidez e malandragem. “São cada vez mais raras as emissoras que ainda mantém uma programação musical/jornalística. Em compensação, o resto é estelionato religioso na cara dura, com todo mundo prometendo resolver qualquer problema: câncer, saldo negativo no banco, unha preta, possessão demoníaca, sogra insuportável, espinhela caída, casamento acabado e toda sorte de ‘disgracêra’ que você imaginar. Um verdadeiro atentado à inteligência, mesmo para quem tem um nível de raciocínio próximo ao das lagostas”, escreveu o jornalista.

A culpa, segundo Regis, é da própria emissora que aluga sua programação. A prática é proibida pelo Código Geral de Telecomunicações, mas o arrendamento de emissoras de rádio se transformou em um multimilionário mercado de aluguel, o que fez o Ministério Público entrar na briga judicial para tentar acabar com esse mal que se alastrou pelo país. Os alugueis em São Paulo chegam a custar R$ 500 mil por mês.
Outra denuncia de relevância para a comunicação no rádio é o processo chamado “paulistanização”,  onde uma emissora de pequeno porte do interior do Estado, com alcance restrito, passa a ter  uma potência de radiodifusão multiplicada na capital por intermédio de outras emissoras. O aumento da potência de transmissão não tem qualquer autorização da Anatel, que é a Agência Nacional de Telecomunicações.

Para Regis Tadeu, a única maneira de acabar com a máfia das igrejas no rádio é a Justiça agir rapidamente e com rigor. “Interromper as transmissões imediatamente, lacrar os equipamentos em caso de desobediência de sentença judicial, determinar o bloqueio dos bens dos envolvidos, fiscalização incessante em cima desses picaretas. Caso contrário, teremos mais um meio de comunicação dominado por gente escrota e desonesta fazendo programação para energúmenos das mais variadas espécies que certamente são grandes ‘clientes’ em potencial” finaliza o comunicador.

Bruno Caetano
Da Redação

Com informações de Regis Tadeu