Ouça nossa webradio

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Radialistas comunitários já planejam intervenção na emissora oficial da Paraíba


Mulheres atuando na Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares



A importância de uma informação livre de preconceitos e de um canal para divulgar a cultura da periferia é um dos motivos que levam um grupo de comunicadores populares da grande João Pessoa/PB a elaborar projeto que consiste na utilização da Rádio Tabajara, emissora oficial do Estado, para hospedar um programa semanal produzido pelas próprias comunidades. O programam, de responsabilidade das emissoras populares com aval da ABRAÇO/PB, teria o objetivo de dar visibilidade ao movimento e informar sobre o que acontece nas comunidades, sob o ponto de vista dos próprios moradores.

Marcos Veloso, um dos idealizadores do projeto, acredita que a proposta será levada ao setor de comunicação do Governo e, se aprovada, será um avanço para o movimento comunitário que tem a comunicação como base. “A mídia em nosso estado, como em geral no Brasil, tem sido usada históricamente como moeda de troca política ou para divulgar o que for de interesse da classe dominante. Por isso, a ocupação desse espaço em uma rádio oficial, com programa produzido pelos moradores das regiões periféricas, contribuirá para o exercício da cidadania e para a educação neste sentido”, acredita.

Para Adriana Felizardo, da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, a Paraíba vive um tempo novo na gestão pública, onde se espera que velhos vícios e privilégios venham a ser extintos e novas práticas de cidadania e respeito aos direitos do povo sejam implantadas. “A imprensa oficial sempre excluiu as classes populares e um programa que seja a voz dos excluídos pode ser uma alternativa de participação na comunicação, especialmente para as pessoas de situação social menos favorecida”, afirmou.

“Assim como nas rádios comunitárias autênticas, nesse programa a ser veiculado na emissora oficial seriam transmitidas outras versões sobre os fatos e veiculados outros gêneros musicais que não são apresentados nas rádios comerciais, abrindo espaço para a população participar”, comentou Fábio Mozart, também da Rádio Zumbi.