Ouça nossa webradio

sábado, 29 de janeiro de 2011

Anatel fará fiscalização técnica do setor de radiodifusão

Danyella Proença
Ministério das Comunicações


De acordo com parecer jurídico do Minicom, competência de fiscalizar tecnicamente é da Anatel. No caso de conteúdo, agência também vai poder notificar as emissoras

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, aprovou o parecer da consultoria jurídica do ministério que delega à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a competência de fiscalizar irregularidades nos serviços de radiodifusão quanto aos aspectos técnicos. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (27). O entendimento da Conjur vai ao encontro da decisão já tomada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que segue o que diz a Lei Geral de Telecomunicações (LGT). Como havia interpretações da LGT de que a competência caberia ao ministério, e não à Anatel, o objetivo foi pacificar a questão juridicamente. A decisão ainda deve passar pelo Conselho Diretor da Anatel.

“O rigor tem que ser o que a lei exige, tem que se fazer cumprir a lei. Achamos que a Anatel tem mais condições de fazer isso. A Anatel tem hoje uma estrutura de servidores e técnicos muito mais adequada para fazer esse trabalho do que tem o Minicom”, afirmou o ministro Paulo Bernardo, lembrando que havia um “represamento” de processos no ministério por falta de pessoal. Segundo ele, o Minicom tem cerca de 150 técnicos aptos para fazer esse trabalho. Com a mudança para a Anatel, esses funcionários podem ser utilizados para outras atividades importantes da pasta.

Quanto à questão do conteúdo, Minicom e Anatel continuam a ter competências conjuntas, o que já existe há cerca de cinco anos com base em um convênio entre os órgãos. A diferença é que agora a agência também poderá notificar as emissoras em situação irregular.

Segundo o Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica, Genildo Albuquerque, o processo de fiscalização funcionava da seguinte maneira: se o fiscal da Anatel descobrisse que alguma emissora, por exemplo, descumpria o percentual máximo de publicidade permitido, ele precisava informar ao Minicom. O ministério notificava a emissora, analisava a defesa enviada e aplicava a sanção. Agora, com a mudança, a Anatel poderá fazer a notificação diretamente.

“Isso é uma coisa nova. A gente está aproveitando a estrutura fiscalizadora da Anatel. Ela mesma poderá notificar o interessado quanto às irregularidades que constatar. O interessado apresenta a defesa, a própria agência analisa e encaminha para decisão do ministério. Essa é a diferença”, explica Genildo Albuquerque. Já as eventuais sanções quanto ao conteúdo, como o limite de publicidade contida na programação, continuam a cargo do Minicom.