Ouça nossa webradio

terça-feira, 22 de março de 2011

Jornalista de Brasília propõe fechamento de rádio comunitária de Diamante/PB

Dioclécio Luz (à esquerda)

O jornalista Dioclécio Luz, especialista em rádios comunitárias, escreveu em matéria publicada em site na internet que o novo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, deveria revisar os processos das quase 4 mil rádios outorgadas. Na sua estimativa, somente 10% do que foi outorgado é rádio comunitária de verdade. “Considere-se que o Minicom está ciente dessa irregularidade; pior, ele é cúmplice do que está acontecendo”, escreveu Dioclécio.

O jornalista propõe ainda que o Ministério estabeleça norma que permita a cassação das outorgas das rádios que ele chama de pseudo-comunitárias, “por receberem as concessões de forma espúria, ilegal, imoral”. Cita como exemplo: a "rádio comunitária" da igreja católica em Copacabana (RJ), Rua Hilário Gomes, 36; a "rádio comunitária" da Casa da Benção, em Taguatinga (DF) e a "rádio comunitária" Paullus FM, no município de Diamante (PB). “Essas igrejas deveriam ter vergonha por se apossar – de forma ilegal! – de bens públicos. Existem centenas de rádios assim. O vergonhoso é que o Minicom seja cúmplice dessa ilegalidade e a Anatel seja omissa diante desses casos”, declarou Dioclécio Luz, acrescentando que “a coragem de Paulo Bernardo será percebida quando ele moralizar o sistema, limpar a sujeira denunciada, e dizer não aos padres, pastores e falsos líderes sociais”.

Dioclécio Luz nasceu em Orocó no Estado do Pernambuco em 1953 e reside em Brasília desde 1983. Dentre suas atividades, foi agricultor, poeta, roteirista de vídeo, ator, autor, diretor de teatro e fotografo. Além disso, Luz é engenheiro eletricista e já foi professor de matemática e estatística. Em sua trajetória, Dioclécio tem vários artigos publicados em vários jornais e com mais de seis livros lançados. E possui inúmeros textos publicados em revistas e jornais sobre cultura e jornalismo.

Dioclécio Luz acompanha e discute a situação das rádios comunitárias desde 1996, período em que foi colaborador para a criação do Coletivo Petista de Rádios Comunitárias no Congresso Nacional.

FONTE:

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=626IPB002