Ouça nossa webradio

quinta-feira, 23 de outubro de 2014


Manobras, a primeira rádio comunitária de Portugal em FM


A Rádio Manobras está no ar desde 2011. O estúdio provisório está instalado nos Maus Hábitos, no Porto

Texto de Ana Chaves 

Anselmo Canha, coordenador do programa Manobras no Porto, achava que era necessário criar uma rádio no e para o Porto. Hélder Sousa anuiu, Marisa Ferreira juntou-se e a rádio Manobras nasceu. Sintonizam-se em 91.5 FM, em antena aberta, desde Setembro de 2011.

O número 178 da Rua de Passos Manuel, no Porto, não os denuncia, mas foi no Maus Hábitos que se instalou esta “rádio sem preconceitos”. Aqui qualquer pessoa pode “manobrar" mesmo que a dicção seja caótica e o sotaque um delator de origens. O projeto, diz Marisa convicta, é pioneiro no país: “Em antena aberta somos os únicos”. Aqui, qualquer pessoa pode fazer rádio. Só é necessário vontade, uma ideia e, única obrigação, que o Porto seja a inspiração do programa.

Hélder, tem 34 anos, é produtor de teatro e é o responsável pela Manobras. Marisa, 32 anos, trocou a cenografia pela Manobras, à qual se dedica agora a tempo inteiro. Apesar da fragilidade formal e técnica, a rádio tem emissão 24 horas por dia, cinco das quais com conteúdos novos e três em directo.

Questionados sobre os programas com maior sucesso, Hélder, Marisa e Filipa Mora (também colaboradora) referem o “Contribuinte”, programa dirigido por Hélder todos os sábados entre as 11h e as 13h. Também “Cinema”, com Luís Mestre, e o (H)aircut, uma rubrica quinzenal com "conversa de gajas" integram o painel dos “mais ouvidos” (vê programação à esquerda).

Recolha do património sonoro do Porto
O maior investimento são os sons da cidade, que combina com a máxima “nunca desligamos o gravador”. Servem como repertório de memória e depoimentos: “No fundo, no fundo, é um arquivo de recolha do património sonoro do Porto”.

São ouvidos, maioritariamente, por jovens entre os 25 e os 35 anos e contam com quase 600 amigos no Facebook. Os mentores da Rádio Manobras preveem construir uma estrutura suficientemente sólida para não se eclipsarem num ano de crise. Uma das ideias passará por se associaram à Universidade do Porto.


Aferir audiências não é possível: "Não temos como saber... mas, pelo menos, todos os meus amigos ouvem", diz Hélder entre risos. Mas sabem o que querem e o cérebro parece não desligar da ficha. A última ideia? Encontrar o maior coleccionador de rádios da cidade. Porquê? Marisa também não sabe, nem interessa.