Ouça nossa webradio

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Aécio e Marina são contra patrocínio oficial para rádios comunitárias, diz colunista

Radialistas de São Paulo pedem lei que regule mídia no Brasil

O colunista Leandro Mazzili, editor da coluna “Esplanada”, publicada em mais de 20 jornais brasileiros, anotou em uma de suas publicações: “Para que a Presidente Dilma não virasse alvo de Aécio e Marina, o PT entubou no aliado PCdoB o projeto de regulação da mídia (por ora) – em especial o financeiro, com proposta de equivalência na distribuição de patrocínios oficiais. A proposta inclui rádios comunitárias no mesmo rol de grandes emissoras. O projeto está com a deputada federal Luciana Santos, de Pernambuco.”

“O colunista ‘esqueceu de mencionar que o projeto não interessa aos candidatos e, muito menos, às grandes corporações da mídia nacional, capitaneadas pela Rede Globo. Ele deixa transparecer que considera absurdo a equivalência entre rádios populares e rádios comerciais para receber verbas públicas”, disse Fábio Mozart, da Aparte - Associação Paraibana de Comunicação Comunitária, Alternativa e Popular.

“A viabilidade dessas emissoras requer mais que o aval do Estado. Geralmente criadas por comunidades de poucos recursos, as dificuldades de implantação e operação são muito maiores. E, embora oportuna para caracterizar a operação não comercial dessas emissoras, a vedação da propaganda fecha-lhes as portas à viabilidade econômico-financeira. Uma solução que foi adotada nos EUA, no Japão e em alguns países europeus e que se mostrou eficaz é a aplicação direta de recursos públicos”, observou o deputado Walter Pinheiro.