Ouça nossa webradio

sábado, 27 de julho de 2013

Professor ensina princípios da radiodifusão comunitária em escolas públicas de João Pessoa/PB

Essa é a juventude que faz a diferença


Esse professor da foto é meu compadre Marcelo Ricardo, da Rádio Comunitária Diversidade FM do Jardim Veneza, bairro pobre aqui da periferia de João Pessoa. Essa rádio é uma autêntica comunitária que não tem vínculo com nenhum político, só com a comunidade. Por isso foi fechada pela Polícia Federal a mando da Anatel, com chancela da Justiça Federal que ainda aplicou multa na diretoria.

Eu disse, digo e confirmo: as instituições da República estão a serviço das oligarquias, do poder econômico e político. O povo, seus direitos, suas necessidades, seus anseios, isso fica em segundo ou terceiro plano. Porque me diga: que mal faz uma rádio de baixa potência operando em um bairro pobre, educando as pessoas, fazendo serviço social, combatendo as drogas e a violência? Nunca é demais lembrar que a maioria das concessões de rádio e TV comerciais estão irregulares, sem que a Anatel e o Ministério das Comunicações movam um dedo para atingir esses empresários.

Mas isso é outra história.  Depois da pressão violentíssima do sistema, a Rádio Comunitária Diversidade saiu do ar, passando a operar somente com caixas de som instaladas nos postes da comunidade. Pensa que a moçada desistiu, entregou os pontos? Nada disso. Nesse ambiente desfavorável, os rapazes e moças da Rádio Diversidade resolveram tocar o projeto, agora levando as técnicas e a filosofia da radiodifusão comunitária para as novíssimas gerações. Marcelo Ricardo é professor de algumas turmas de escolas públicas, onde ensina o manejo de equipamentos de comunicação. Aproveita e passa para a garotada, de forma leve e descontraída, conceitos sobre comunicação, porque se vê o que se vê na TV, porque o rádio fala mal das comunidades periféricas, o que é baixa qualidade técnica e sensacionalismo.

Na prática, Marcelo Ricardo, Ricardson Dias e os outros caras da Rádio Comunitária Diversidade FM exercem o confronto de classes que envolve aspectos objetivos e subjetivos. A guerra é nos meios de comunicação. Ninguém espere que vai ter moleza, que a luta é fácil. A peleja passa pela formação da consciência dessas novas gerações. Isso é tarefa para abnegados guerrilheiros como o professor Marcelo Ricardo.

www.fabiomozart.blogspot.com


Fábio Mozart