Ouça nossa webradio

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Músico paraibano lamenta desaparecimento de rádio universitária

As ondas artesanais da Rádio Universitária
Adeildo Vieira

Inesquecível aquela tarde de sábado, 30 de agosto de 1986. O Show “Todas as Estrelas”, produzido pelo Musiclube da Paraíba, enfrentava uma platéia vazia, pois nenhum evento musical preencheria o vazio que a cena cultural paraibana passava a viver naquele dia. Era o velório do querido e saudoso maestro Pedro Santos. Mas o show aconteceu assim mesmo. Tocamos uns para os outros e registramos o feito em fita cassete, sem imaginar que muito em breve o malfadado show ganharia o público da Rádio Universitária FM, que abraçava as ousadias dos músicos independentes de nossa cena cultural. Ao acionar o PLAY daquele tape deck, Nandinho Azimuth, nosso músico e operador de som, estava produzindo um registro histórico.
A Rádio Universitária era um porto seguro para nossos sonhos. Um paradigma radiofônico que prezava pela coerência de se respeitar o processo cultural local, mesmo calcado por uma realidade que impedia excelência técnica em suas produções. Mas eu não continha a satisfação de perceber nas ondas do rádio o projeto de inclusão cultural negado por todas as demais emissoras, ainda que mostrasse a crueza da realidade a que estávamos submetidos.
Este afã de inclusão cultural era capitaneado pela ação obstinada do diretor de programação da emissora. Carmélio Reynaldo, professor do então DAC - Departamento de Arte e Comunicação da UFPB, era o capitão desta nau que insistia em manter-se no rumo da coerência. De mãos grudadas no timão de suas ideias, deixava claro o papel que deve ter uma emissora de rádio em divulgar uma programação regional, como reza na constituição brasileira.
Bom, mas como não tínhamos estúdios de gravação na Paraíba à época, Carmélio criou uma forma de veicular nossas produções caseiras, geralmente gravadas em fitas cassete. De forma artesanal, abria as caixas de fitas de áudio virgens e as cortava no tamanho que coubesse uma canção. Depois as emendava novamente, gravando uma determinada música nos dois lados da fita. Estava ali criado um cartucho de áudio para um tape deck, de forma que, ao terminar a execução da canção ela já estaria no ponto de ser tocada no outro lado, sem ter que rebobinar. E assim foi construído o acervo de músicas dos compositores paraibanos independentes, incluindo-se aí várias canções do show “Todas as Estrelas”, que estaria fadado ao esquecimento não fosse este debruçamento poético de Carmélio Reynaldo sobre nossos sonhos de tocar no rádio.
E foi assim, ainda nos anos oitenta, que, extasiado, ouvi minha voz no rádio pela primeira vez. Ainda imaturo para a lida musical, eu já sentia a responsabilidade de ver minha produção viajando nas ondas do rádio, mas também experimentava a rara sensação de inclusão da alma musical paraibana num projeto democrático de radiodifusão. Em nome desse projeto muitas lutas são travadas até hoje contra os poderes que negam a alma da Paraíba, manifestada em seus artistas. As emissoras comerciais gastam muito mais energia para obstruir a difusão da nossa produção cultural do que desprendia Carmélio em suas empreitadas artesanais para promover a nossa inclusão.
Quero apenas lembrar que cada vez que alguém ouvir a voz de um artista paraibano no rádio, lembre de reverenciar a história da Rádio Universitária FM e seu diretor com alma de artesão.