Ouça nossa webradio

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Justiça proíbe rádio comunitária de transmitir horário eleitoral



A Justiça Eleitoral em Ribeirão Claro, no Norte Pioneiro do Paraná, proibiu a única emissora de rádio da cidade, a transmitir o horário eleitoral gratuito que começa oficialmente na terça-feira (21). De acordo com a juíza eleitoral, Thalita Bizerril Duleba Mendes, todos os diretores da Rádio Comunitária Ribeirão Claro são filiados a partidos políticos, o que, na prática, segundo a magistrada, é proibido por lei. A cidade não conta com nenhuma emissora de televisão. 

Para a juíza, como os diretores estão de alguma forma ligados às siglas partidárias, havia a possibilidade de a emissora privilegiar um dos dois candidatos que disputam a eleição majoritárias e até os concorrentes a vereador. 

A cidade de Ribeirão Claro tem pouco mais de 10 mil habitantes e cerca de oito mil eleitores. O atual prefeito, Geraldo Maurício Araújo (PV), que disputa a reeleição, acredita que a medida prejudica mais a população do que os próprios candidatos. “A juíza está cumprindo rigorosamente o que está escrito na lei. Mas a população fica sem um canal direto com as campanhas. O diálogo do candidato com o eleitor fica restrito à comunicação visual e ao contato direto nas ruas”, diz o prefeito. 

Além disso, os partidos e o Ministério Público Eleitoral assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no final do mês passado que restringiu a campanha a apenas um comício e uma carreata para cada uma das coligações. A fixação de cartazes e o uso de carros de som também estão proibidas em Ribeirão Claro. 

Para o diretor geral da Rádio Ribeirão Claro, Aguinaldo Eliano da Silva, a campanha ficou prejudicada pela falta informação sobre as propostas e as intenções dos candidatos. “Sem dúvida os eleitores são mais prejudicados”, diz. 

Mesmo com candidatos, a direção da rádio e até boa parte da população discordando da ausência da propaganda eleitoral gratuita, a decisão da juíza Thalita Bizerril Duleba Mendes deve mesmo ser mantida. Nem a coligação liderada por Geraldo Maurício de Araújo nem do seu adversário Mário Pereira (PMDB) pretendem recorrer da decisão. 

Além dos dois candidatos a prefeito, Ribeirão Claro tem outros 64 candidatos que concorrem a uma das nove cadeiras de vereador.

Portal Ribeirão Claro