Ouça nossa webradio

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Polícia Federal invade rádio comunitária em São Paulo


A Rádio Comunitária Hortolândia, de Campinas/SP, noticiou ontem (31 de agosto) que agentes da Polícia Federal realizaram busca e apreensão na Rádio Comunitária Integração FM, de São Miguel Paulista, sob a alegação de que a emissora funcionava clandestinamente.
Segundo Jerry Oliveira, da Hortolândia, a emissora está autorizada pelo Ministério das Comunicações há nove anos. “A Integração já foi perseguida diversas vezes por políticos locais ligados ao PSDB. Entramos em contato com o Ministério das Comunicações sobre esta grave violação do direito á comunicação. Infelizmente não obtivemos êxito na exigência de que o Ministério das Comunicações interceda para que a justiça repare este grave erro judicial”, esclareceu Jerry.
A lei de rádios comunitárias é taxativa em garantir a proteção do Estado para que o serviço de radiodifusão comunitária seja exercido livremente pelas comunidades, ou seja, “uma obrigação do Ministério das Comunicações”, lembrou Oliveira que é militante do Movimento Nacional de Rádios Comunitárias. “Apelamos para que o Ministro Ricardo Berzoini cumpra a função de ministro de estado e intervenha para a reparação deste ato anti-democrático que só favorece o Monopólio da comunicação da cidade”, finalizou.
No ar, desde setembro de 2011, a Rádio Integração FM – 87,5 é a primeira e única emissora comunitária oficial de São Miguel Paulista. Com um alcance que abrange não só a região de São Miguel, como bairros vizinhos, a rádio possui mais de 20 programas e cerca de 15 locutores, divulgando notícias, eventos e atividades do bairro, além de muita música sertaneja, o forte da emissora.

“Nosso propósito sempre foi prestar serviços à comunidade e atender as necessidades do bairro, promovendo cultura, lazer e informação de qualidade”, diz Reni Luiz (foto), radialista e um dos coordenadores da Integração FM. Segundo ele, conseguir esta rádio comunitária para São Miguel, não foi fácil. Treze anos se passaram até que Ribeiro de Souza, presidente da rádio, finalmente conseguisse autorização para funcionamento junto ao Ministério das Comunicações.