Ouça nossa webradio

sábado, 26 de março de 2016

Vereador proíbe rádio comunitária de gravar entrevistas

Vereador proíbe rádio comunitária de gravar entrevistas

A partir desta quinta-feira (24), a Rádio Comunitária Araçá, de Mari, está proibida de gravar entrevistas no recinto da Câmara de Vereadores local, conforme decisão do Presidente da Casa, vereador Edivaldo Martins (foto), que também é líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST). 




Na justificativa, Martins disse que foi impedido de falar na emissora. “Hoje, mais uma vez, a rádio mostrou seu compromisso com apenas um lado da história. Como presidente da Câmara, liguei mais de vinte vezes, atenderam duas e se negaram a transferir a ligação. A partir de hoje irei dar o mesmo tratamento na Câmara Municipal. A Araçá FM estará sem permissão para gravar internamente nos espaços do legislativo. Se não podemos usar a rádio que é comunitária, também não podemos conceder os nossos espaços”, afirmou ele.

A Rádio Araçá e a Prefeitura local não se entendem, por motivos políticos. A Câmara, que tem a maioria dos vereadores como sustentação do prefeito Marcos Martins, também entra na briga. “O que esperar de uma emissora, mentirosa, totalmente ligada à administração do ex-prefeito Antônio Gomes? Essas pessoas que apresentam esses programas são totalmente tendenciosas e cínicas”, detonou Edvaldo.

Em nota, o radialista Severino Ramo, Presidente da Rádio Comunitária Araçá, afirmou que a proibição do Presidente da Câmara é irrelevante, “tendo em vista que os vereadores só se reúnem raramente e para bajulices, já que há mais de três semanas a Câmara não realiza nenhuma sessão.” Quanto à denúncia do vereador Edivaldo Martins, de que foi censurado na rádio, Ramo informou que o parlamentar ligou para o programa “Liberdade de expressão”, veiculado no dia 24 de março, quando restavam apenas dez minutos para o término do programa e que a ligação do vereador foi feita através do WhatsApp, sendo solicitado ao mesmo que ligasse pelo número destinado à participação do público ouvinte. “Não houve negativa em transferir a ligação do vereador”, garante Ramo.

Quanto à afirmativa de Edivaldo Martins de que a rádio não tem compromisso com a verdade e só ouve um lado, Severino informou que, no programa referido, estavam sendo entrevistados três vereadores da bancada da situação: Vânia de Zu, Josenilson Avelino e Adriano Cândido. Ao final da nota, Severino Ramo defendeu os apresentadores do programa, chamados de “cínicos” pelo vereador Edivaldo, acusando, por sua vez, o parlamentar de ser réu na Justiça. “Ele esquece que foi condenado por ‘roubo qualificado’, com recurso negado junto ao STF, por isso afirmamos que não somos cínicos, mas se fôssemos, seríamos menos prejudiciais à sociedade do que ter a ‘fama’ de ladrão”, alfinetou Severino Ramo.