Ouça nossa webradio

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Abraço Nacional debate políticas públicas para Proteção e Defesa Civil


Representantes da Abraço Nacional (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária) oficializaram no Ministério da Integração Nacional, o apoio da entidade na 2º Conferencia Nacional de Proteção e Defesa Civil. Em reunião no dia 30 de janeiro com o diretor do Departamento de Minimização de Desastres da Secretaria Nacional de Proteção Civil, Armin Braun, foi possível debater ideias sobre as políticas públicas que em longo prazo, sejam capazes conter os riscos existentes para a população.
O coordenador da Abraço-PB, Moreira Silva, afirma que o evento é uma ótima oportunidade para os brasileiros conhecerem melhor o trabalho da Defesa Civil. “Nós somos acostumados a nos deparar com a Defesa Civil somente quando existe tragédias como enchentes e incêndios. O problema é que não encontramos a Defesa Civil nas questões mais preventivas, e menos ainda, desenvolvendo políticas em defesa e proteção da sociedade”, disse Moreira.
De acordo com Valdeci Borges, coordenador da Abraço-GO, é fundamental que o sistema de rádios públicas comunitárias estejam cada vez mais presentes na cobertura de eventos come este. “A participação da Abraço Nacional, e das rádios comunitárias, bem como todo o sistema de radiodifusão, tem extrema importância na participação deste processo. As rádios comunitárias já prestam um serviço de informação a comunidade, e quanto a Defesa Civil, ela é ainda mais importante, pois a comunidade está sempre em sintonia com a emissora”, revela o coordenador.

A equipe da 2ª CNPDC apresentou o processo conferencial sobre proteção e defesa civil e ressaltou o papel desses meios de comunicação para a mobilização das etapas preparatórias da 2ª CNPDC, especialmente das municipais, cujo o prazo para realização se encerra no dia 15 de março. O diretor do departamento, Armin Braun destacou o papel importante das rádios comunitárias: “Ao levar as informações corretas à população, evitam-se perdas e salvam-se vidas aos afetados”.